31/03/2017 | 02h:02

Escalas, sucesso e felicidades a todos




Olá amigos! 

Depois de meses de ausência, estou de volta a este espaço. Obrigado ao Voz do Apito pela oportunidade. Peço desculpas àqueles com quem não consegui interagir. Estou usando cada vez menos o Facebook e também muitos e-mails vinculados a este blog se perderam pelo caminho. Espero que este ano seja diferente. 

Nós que somos do meio sabemos que a missão do árbitro de futebol é muito difícil. Por isso, temos de nos preparar e ter consciência do que nos aguarda. É preciso dedicação, competência, talento, treino, ajuda, tudo para que desempenhemos a atividade em alto nível. Mas, principalmente, é preciso alegria e motivação para fazer o que fazemos. Se um desses ingredientes faltar, a receita não vai dar certo! 

Não culpem os outros pelo que vocês não têm mais, ou talvez nunca tiveram, a oferecer. Se estão desmotivados, infelizes com a atividade, se afastem. Deem um tempo a si mesmos. Refaçam seu caminho e, se concluírem que arbitrar ainda lhes é necessário, voltem em outro momento, em outro campeonato. Não se tornem a erva daninha do grupo, aqueles com quem os demais evitam o contato. Isto só fará mal a vocês e a suas carreiras. 

É redundante afirmar que não basta atingir a excelência nos quatro pilares (físico, mental, social e técnico). Outros fatores influem na escala de um árbitro de futebol. Em qualquer estado do nosso Brasil, existem árbitros de muita qualidade que não obtiveram, em suas carreiras, o sucesso esperado, e outros menos qualificados que, porém, conseguiram atingir patamares mais elevados. Mas este não é um fenômeno exclusivo do futebol. Qualquer segmento profissional apresenta essas inconsistências. Exemplos é que não faltam para tipificar essas situações.  

Cada um deve fazer uma avaliação consciente e verdadeira de si mesmo. Identificar e potencializar seus pontos fortes e, da mesma forma, identificar e corrigir seus pontos fracos. O fato de o mundo apresentar injustiças, não é justificativa para que fiquemos inertes e não corramos atrás dos nossos objetivos e das qualificações necessárias para alcançá-los. 

Mas não se iludam. O sucesso não depende somente das nossas qualidades, do nosso esforço, da nossa persistência. Assim como o insucesso não aconteceu somente por falta de qualidade, esforço ou persistência. Todos temos significativa parcela em nossas conquistas e em nossos fracassos, mas não é possível agirmos sozinhos em nenhum deles. De nada adiantará existirem excelentes árbitros se a Comissão de Arbitragem local for leviana e omissa. Igualmente, nada adiantará se esta mesma Comissão for composta por excelentes pessoas se os árbitros não se esforçarem em busca da excelência. 

Então, lutem contra quem não reconhece o seu valor, cobrem respostas dos dirigentes de arbitragem por suas não escalações em melhores jogos; eles têm obrigação de prestarem essas informações. Mas, sobretudo, façam o principal: apresentem dentro do campo de jogo um desempenho de excelência que justifique suas lutas e reivindicações.   

Desejo muitas escalas, sucesso e felicidades a todos!

 

   

 

Forte abraço e que Deus nos abençoe




VOZ DO APITO
Todos os direitos reservados © 2008 - 2015